PATRÍCIA é jornalista e assina POETA. Eu sou ANGELA, Pedagoga e assino RAMALHO (o que não deixa de ter também a sua poesia). Fico pensando como seria divino assinar "Poeta" depois do nome. Até fiz uma poesia sobre isso! Esse blog é um espaço onde brinco com as palavras, fazendo aquilo que gosto. E o que eu gosto mesmo é de fazer poesias! Portanto, embora não seja PATRÍCIA, eu sou POETA!

quinta-feira, 17 de abril de 2014

CECÍLIA MEIRELES E EU!

Sou uma admiradora de Cecília Meireles. Não apenas de sua obra, mas da mulher que ela foi. Não usando de comparação (absolutamente!), mas percebo semelhanças entre sua história de vida e a minha. 

Eu admiro a forma como ela encarava o silêncio e a solidão como sendo circunstâncias positivas, quando muita gente encara isso com negatividade. Já morei sozinha durante 07 (sete) anos e também convivi tranquilamente com o silêncio e a solidão e posso dizer que tenho boas e doces lembranças desses momentos! 

A sua relação com os estudos e o fato de sempre ter sido uma aluna exemplar, digna de receber distinções e louvores também me é um fator de identificação.  Eu sempre fui "rotulada" como a CDF da sala e meu nome figurava constantemente entre os alunos com as melhores notas! 

O fato dela ter sido professora municipal,(sou professora municipal aposentada), a sua ligação com a educação, sua dedicação à causa do magistério, a coincidência dela também ter sido diretora de escola, a paixão pela cultura e pela literatura, tudo isso está muito presente em mim! 

Sobre sua poesia, eu a vejo exatamente como o crítico Paulo Rónai a vê: "Considero o lirismo de Cecília Meireles o mais elevado da moderna poesia de língua portuguesa. Nenhum outro poeta iguala o seu desprendimento, a sua fluidez, o seu poder transfigurador, a sua simplicidade e seu preciosismo, porque Cecília, só ela, se acerca da nossa poesia primitiva e do nosso lirismo espontâneo...A poesia de Cecília Meireles é uma das mais puras, belas e válidas manifestações da literatura contemporânea".


Por acreditar nisso, me espelhei em sua poesia "Aqui está minha vida" e compus a poesia "Provas". Fui beber de sua fonte, não no sentido de imitar ou de copiar, mas no sentido de admirar e de aprender.



Cecilia aborda a vida de uma maneira e eu de outra. Cecília usa de metáforas e compara sua vida à areia, sua voz à concha, sua dor a um coral e  sua herança ao mar. Usa os elementos da natureza para expressar-se em versos de extrema beleza.  

Eu preferi mostrar algumas provas e com elas reafirmar a constante busca do ser humano pelo amor e pela felicidade. O lençol, a alma em pedaços e o punhal conferem ao texto a exata noção de sofrimento desencadeada por paixões findas (e infindas!). 

Cecília Meireles e eu: Cada uma com seu tom. Mulheres de tempos diversos.  Educadoras. Pessoas que em algum momento de suas vidas foram marcadas por tragédias. Mas que resistiram, pela poesia!




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...