PATRÍCIA é jornalista e assina POETA. Eu sou ANGELA, Pedagoga e assino RAMALHO (o que não deixa de ter também a sua poesia). Fico pensando como seria divino assinar "Poeta" depois do nome. Até fiz uma poesia sobre isso! Esse blog é um espaço onde brinco com as palavras, fazendo aquilo que gosto. E o que eu gosto mesmo é de fazer poesias! Portanto, embora não seja PATRÍCIA, eu sou POETA!

quinta-feira, 16 de maio de 2013

ARTIGO DE MINHA AUTORIA SAIRÁ EM JORNAL CULTURAL


A Presidente da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, escritora Aline Romariz, postou na página do Portal do Poeta Brasileiro no Facebook, o texto de minha autoria que sairá na próxima edição do Jornal Cultural "SEM FRONTEIRAS" do Rio de Janeiro. Aline, além de endossar minhas palavras, ainda deu um "puxão de orelha" nos Acadêmicos, insatisfeita com os poucos comentários recebidos a respeito de um vídeo, cuja função era fazer os poetas refletirem mais sobre a realidade. Abaixo publico a postagem na íntegra (inclusive com o puxão de orelha!):

Aline Romariz
* Texto sobre o MANIFESTO POÉTICO PELA PAZ da Acadêmica Angela Ramalho para o jornal "SEM FRONTEIRAS".

Neste texto, Angela transmite os anseios desta Academia. Com tantas outras Academias enviando convites para participação, temos que refletir o real sentido do SER POETA
Sempre digo que não estamos brincando de fazer poesia. Nem tampouco querendo fazer propaganda do livro em questão. O desejo do Portal do Poeta Brasileiro em formar uma Academia, vai muito além do que angariar fundos para o enriquecimento pessoal. E com o Manifesto não quisemos demonstrar nosso interesse político por algum partido ou coisa que o valha. O que quisemos e ainda queremos é que cada Acadêmico tenha a verdadeira noção do que é ser Poeta, que cada um exerça sua cidadania por que a responsabilidade em ser poeta vai muito além das rimas e do que colocamos no papel. (grifo meu).
Fizemos uma experiência no dia 13 de maio no Sarau do Núcleo Campinas. Um vídeo intitulado "13 de maio...125 anos depois" foi passado e nada foi dito ou discutido. Ouvimos apenas uns parcos aplausos, como se o que quiséssemos fossem os aplausos.Ora, nós não nos sentaríamos horas na frente de um computador só por esse motivo. A nossa intenção era outra. Na terça-feira eu coloquei o vídeo para apreciação de todos no Grupo da Academia e no Facebook do Portal. Nada. Nenhum comentário. Hoje, vi um comentário de Valéria Pisauro e respondi. Este vídeo (ainda que primário), foi acolhido pelos formadores de opinião e escolhido para receber a Comenda Brasilidade, oferecida pela imprensa paulistana. Confesso, que gostaria mais que os poetas começassem a se perguntar sobre o papel de ser POETA e que o nosso vídeo rebulisse no interior de cada alma. A honraria não tem sentido se o nosso intuito não for alcançado.
Aline Romariz

SOBRE O MANIFESTO POÉTICO PELA PAZ 
Poetas pertencentes ao Portal do Poeta Brasileiro e à ANLPPB – Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro estiveram em Brasília-DF no dia 24/04/2013, onde entregaram no Senado Federal, exemplares do MANIFESTO POÉTICO PELA PAZ
A obra teve prefácio de Masataka Ota (que fundou o Movimento pela Paz e Justiça Ives Ota). O Sr. Ota é pai do garoto Ives Yoshiaki Ota, de 08 anos, que foi sequestrado e morto no ano de 1997 em São Paulo. 
O livro, além de ser um grito de protesto, tem ainda outro diferencial: leva a assinatura digital de todos os poetas participantes num texto-manifesto assinado por Aline Romariz e Teco Seade (Presidente e Diretor Cultural da Academia, respectivamente). 
A coletânea contém poemas enfocando a violência em nosso país, como forma de alertar as autoridades sobre a chocante realidade em que vivemos. Cada escritor manifestou seu grito de protesto em três páginas, num suplicante anseio de paz. Nas páginas iniciais foi redigido um manifesto contra a violência e pela paz, contendo o nome, o contato eletrônico, a assinatura digital e a cidade de origem de cada poeta. 
Iniciativas desse porte são importantes para desmistificar o que é ser poeta. Algumas pessoas acreditam que ser poeta é viver sonhando, distante da realidade, o tempo todo imaginando coisas belas, para depois escrevê-las. 
O Portal do Poeta Brasileiro, ao entregar um livro-manifesto em Brasília-DF, deu a exata definição do que é ser poeta nos dias de hoje: é saber unir poesia e cidadania. Apenas escrever ou imaginar coisas belas não é suficiente para ser poeta, mesmo porque nossa realidade não tem sido lá tão bela assim. 
E se tentarmos “florear” a realidade com palavras e lirismo para torná-la bela, estaremos sendo hipócritas e não poetas. Poeta que é poeta se manifesta. Cobra providências com sua escrita e seu dom. E ainda assina sua obra. Não contente com isso, a entrega a quem de direito: no Planalto Central, o centro do poder político da nação. Assim, estamos aliando poesia à cidadania, fazendo nascer novos versos e estes, quem sabe, transformarão a realidade! 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...