PATRÍCIA é jornalista e assina POETA. Eu sou ANGELA, Pedagoga e assino RAMALHO (o que não deixa de ter também a sua poesia). Fico pensando como seria divino assinar "Poeta" depois do nome. Até fiz uma poesia sobre isso! Esse blog é um espaço onde brinco com as palavras, fazendo aquilo que gosto. E o que eu gosto mesmo é de fazer poesias! Portanto, embora não seja PATRÍCIA, eu sou POETA!

sábado, 5 de janeiro de 2013

LEMINSKIANDO...




Ontem passei boa parte da tarde lendo Paulo Leminsk. Que delícia! Abasteci minha alma de poeta! Quanta inspiração, quanto sentimento! Verdades escancaradas em frases curtas, que nos fazem pensar quão grande era o seu talento, nessa tão difícil arte de escrever.


Esse paranaense de bigodão e cara de bravo, tinha em seu coração (parafraseando Drummond) “o sentimento do mundo”. Ousado, pichou poemas nos muros de Sampa. Não foi morto “a pau, a pedra, a fogo e a pique”, mas até hoje o “filhodaputa ainda faz chover em nosso piquenique”. Deixou-nos em 89, mas sua poesia vive, porque os poetas são eternos. Como pode morrer alguém que diz:

                                        lembrem de mim
                                        como de um
                                        que ouvia a chuva
                                        como quem assiste missa
                                        como quem hesita, mestiça,
                                        entre a pressa e a preguiça”

         




Vivo está entre nós, nos espreitando atrás da porta, com seus óculos redondos e sua curiosidade de criança. 

                                         quando eu tiver 
                                         setenta anos
                                         então vai acabar 
                                         esta minha adolescência”
            
Não. Ainda ontem, em minha leitura, o vi adolescente. Fez-me rir de seus versos tresloucados, como a dizer: “aprende menina, a fazer poesia. Vocè ainda é nova. Anda, cria!

                                         “uma chuva de estrelas 
                                         deixa no papel 
                                         esta poça de letras”
                
Poça que nos inunda de encantamento, cada vez que nos aprofundamos na sua poesia. 

                                         “abrindo um antigo caderno 
                                         foi que eu descobri:
                                         Antigamente eu era eterno”

Fecho um outro caderno e o sinto aqui bem perto, tão terno!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...